UBAÍRA

Por: Augusto Bello de Souza Filho

Brasília - DF, junho de 2004.

 

Ah! Ubaíra querida,

Amor de minha vida,

Que de mim não sai!

 

Por quê ages assim?

Tão sutil e sorrateira,

Seduzente e faceira,

Que de mim não sai!

 

Vai ano e vem ano!

Nada muda entre nós!

Tu sempre atraente!

Eu sempre a sós!

 

Quanto mais te vejo

Mais te amo,

Quanto mais te amo

Te quero mais.

 

Sou amante e sou amigo!

És meu abrigo!

Por quê de mim não sai!

VOLTAR